ARTIGO

É possível ser feliz durante e depois da pandemia. Confira as dicas da maior especialista do mundo sobre felicidade!
Leader Educa

Leader Educa

Em entrevistas recentes, a professora do Curso sobre a ciência da Felicidade Laurie Santos e o filósofo e historiador Leandro Karnal garantem que é possível se sentir bem durante estes tempos difíceis. Confira as 3 dicas da especialista para ser mais feliz   

Estudos mostram que a saúde mental se deteriorou como resultado do estresse e da preocupação com o desenvolvimento da crise do COVID-19. A Organização Mundial da Saúde até publicou uma guia com cuidados para a saúde mental.

Foram muitas mudanças drásticas em um curto período de tempo. “Todo mundo está se sentindo ansioso, incerto e meio assustado, e as pessoas realmente querem saber o que é possível fazer para se sentirem melhor”, garante a professora do curso The Science of Wellbeing, Laurie Santos assistido por mais de dois milhões de pessoas no mundo. Baseadas em cerca de 30 anos de estudos a professora dá 3 dicas simples baseadas em evidências que todo mundo pode colocar em prática e que, segundo a especialista, melhorarão seu bem-estar”. 

Falando em melhorar, o filósofo e historiador Leandro Karnal, em entrevista ao programa especial “O Mundo Pós Pandemia”, na CNN, tem uma visão otimista para o pós-pandemia. “Na tradição histórica, depois de um período de recolhimento e morte, há uma grande explosão de vida. É o caso do Renascimento após a Peste Negra. Depois da Revolução Francesa, a moda em Paris se tornou muito extravagante e internacionalmente famosa. Haverá uma tendência a uma explosão de sociabilidade em um primeiro momento. A tendência histórica é uma grande alegria e felicidade após epidemias e guerras, como os anos 20, o jazz, O Grande Gatsby, o romance símbolo da década de 20, então tudo isso é tradicional”, explicou. 

É normal se sentir ansioso, com medo do futuro, mas ter uma atitude positiva diante da realidade é essencial. Santos teve ampla oportunidade de testar sua abordagem antes do COVID-19 no Curso Psicologia e Vida Feliz, em Yale, que rapidamente se tornou o mais bem-sucedido da história da universidade. Para chegar a estas 3 dicas, Laurie se baseou em três décadas de coleta de evidências de estudiosos sobre o tema e também perguntou para as pessoas felizes o que elas fazem. A professora garante que estas 3 lições funcionam … 

  1. Socialize

“Pesquisas sugerem que pessoas felizes tendem a ser relativamente sociais”, explica Santos. 

Isso é algo difícil de fazer no tempo do COVID-19, porque o distanciamento social significa que não podemos estar próximos fisicamente com as pessoas de quem gostamos. 

No entanto, ela explica que a tecnologia pode ajudar bastante.  A pesquisa sugere que o ato de falar com as pessoas em tempo real, ou seja, tecnologias como Zoom ou FaceTime podem ser uma maneira realmente poderosa de se conectar com as pessoas. 

Você vê as expressões faciais, ouve a emoção na voz e isso realmente ajuda a se conectar com elas. 

  1. Ajude outras pessoas

“As pessoas felizes tendem a ser realmente orientadas para os outros”, explica Santos, o que significa que elas se concentram na felicidade de outras pessoas e não apenas na sua. 

Isso é algo que culturalmente pode ser um pouco confuso, pois temos essa ideia de ‘autocuidado’ e de se tratar. Mas a pesquisa sugere que se você faz as pessoas fazerem coisas boas para os outros, como doar dinheiro, isso tende a aumentar seu bem-estar. 

Fazer atos de gentileza, particularmente neste momento em que estamos todos realmente lutando, pode ser incrivelmente poderoso. Também tem um efeito positivo na sociedade.  

  1. Esteja presente

Em outras palavras, pratique a atenção plena. “As pessoas felizes tendem a ser mais atentas – presentes no momento, percebendo o que está acontecendo com elas”, diz Santos. 

A meditação pode ser uma ferramenta poderosa no meio desta crise, porque faz com que você se concentre no que está acontecendo em seu corpo no momento presente. 

A dica de ouro para a meditação é: sua mente não pode estar pensando o que você vai comer no almoço ou o que está acontecendo com seu parente idoso. Esteja presente. 

Estas dicas foram dadas pela especialista durante entrevista para o podcast do Fórum Econômico Mundial. Ela explicou que estas atitudes podem ajudar a combater sentimentos de isolamento e mau humor, e que as empresas também podem aprender com elas. 

Essas ideias são simples, mas poderosas, sobre o bem-estar e são tão relevantes para as empresas e formuladores de políticas públicas quanto para as pessoas em geral, argumenta Santos, especialmente quando milhões de pessoas são singularmente vulneráveis. “Acho que as empresas estão começando a perceber que o ato de ajudar outras pessoas pode melhorar seu próprio bem-estar”, diz ela, citando a decisão de algumas empresas de apoiar boas causas ou de permitir que os clientes doem parte do preço de compra para uma instituição de caridade. 

Assim como Karnal, a professora de Yale termina suas dicas com uma mensagem otimista. “Historicamente, já passamos por perdas antes e nos tornamos uma sociedade melhor e mais pronta para fazer as coisas que precisamos fazer para construir uma sociedade melhor.” 

Para finalizar a entrevista, Karnal aconselhou. “Seja feliz. Não espere o futuro, não dá para acreditar que a felicidade será sempre adiada para um próximo momento”. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin