Leader Educa

Descubra o que é microlearning e como aplicá-lo na organização

Mão feminina digitando no celular. Representando o que é microlearning

Você já parou para pensar o quanto do que é ensinado nos processos de treinamento das organizações é, de fato, assimilado pelos colaboradores? Conseguir manter o foco deles nos conteúdos didáticos sempre foi um grande desafio. 

Afinal, parte considerável das informações simplesmente se perde no meio do caminho. Pensando numa solução para esse cenário, surgiu o microlearning.

O microlearning é um conceito de aprendizagem que tem conquistado cada vez mais espaço na área de educação organizacional.

O que é microlearning?

O microlearning é um método que tem como principal característica uma abordagem de aprendizagem que busca transmitir os conteúdos em pequenas doses de conhecimento, sempre de curta duração.

Sua tradução literal está diretamente ligada ao seu significado, sendo: micro (pequeno, reduzido) learning (aprendizado). 

Ou seja, um método de aprendizagem objetivo e entregue de forma mais assertiva, pensando totalmente na assimilação do aluno, sendo apresentado em pequenas partes.

Para isso, as aulas possuem uma linguagem simples, com o uso de recursos multimídias, para facilitar o compartilhamento do conteúdo e sua compreensão. 

Esse método normalmente é aplicado em plataformas de aprendizagem por meio de vídeo aulas.

Além disso, existem outros pontos que devem ser destacados no microlearning, como:

  • Apresentações informativas de 2 a 5 minutos;
  • Enfoque em um objetivo principal;
  • Lições individuais e personalizadas;
  • Linguagem compreensível e simples.

Como funciona o microlearning?

O primeiro passo para entender como funciona o microlearning é saber que esse formato de conteúdo não pode ser feito apenas por meio da fragmentação de algo maior. É necessário ser atrativo para quem irá consumi-lo, além de fácil e rápida compreensão.

Por isso, é importante mapear as necessidades e os objetivos dos profissionais que farão parte desse processo de aprendizagem. Saber o que cada um necessita facilita o desenvolvimento de um microlearning efetivo e de qualidade. Sempre há um bom planejamento por trás de tudo!

Depois de conhecer as necessidades do seu público e a forma certa de respondê-las, é hora de pensar em como transformar o conteúdo em microlearning.

É possível utilizar diversos formatos, como textos, podcasts, vídeos, apresentações e jogos. Desenvolva conteúdos que se adaptam para os mais diferentes tipos de dispositivos, como tablet e celular. Isso porque a maioria das pessoas utiliza aparelhos mobile para o aprendizado.

Além disso, prepare conteúdos mais densos para que a pessoa possa se aprofundar no assunto abordado. 

Dessa forma, é possível fazer com que os alunos conheçam o conteúdo como um todo, caso queiram ou sintam necessidade.

Também é possível integrar os conteúdos produzidos em aulas interativas por meio de plataformas como o Google Classroom, que possibilita o debate sobre os assuntos. 

Existem diversas formas de aplicar o microlearning, confira abaixo alguns exemplos:

Exemplos de microlearning

Dentre os diversos exemplos de microlearning, o mais popular é o conteúdo por meio de videoaulas curtas, com duração de no máximo 10 minutos. 

Além disso, podemos considerar cortes de podcasts educativos, vídeos de treinamento de empresas, vídeos do Youtube, blogs, e palestras do Tedx.

Quais são as vantagens do microlearning?

Existem várias vantagens na aplicação do microlearning, desde a otimização do tempo até a personalização do conteúdo. Veja agora quais são as principais:

Otimização de tempo

Um dos principais objetivos do microlearning é a otimização de tempo. Esse é um benefício que alcança tanto as empresas quanto os colaboradores.

Com a rotina profissional e as demandas diárias de trabalho e casa, é comum que os profissionais não tenham muito tempo para realização de treinamentos longos. Assim, acabam consumindo grande parte do seu dia, mesmo que haja necessidade ou que seja algo extremamente relevante para a sua profissão.

Nesse mesmo cenário, a empresa também sofre, tendo que liberar o colaborador do seu trabalho para realizar o treinamento. Isso pode interferir na produtividade e nos resultados do negócio.

Já com o microlearning, as aulas normalmente não ultrapassam 15 minutos. Elas foram desenvolvidas para serem mais objetivas, contemplando somente o essencial para o colaborador aprender e colocar em prática, de forma direta e rápida.

Aumento da produtividade

Ao precisar de menos tempo para finalizar o treinamento e capacitação, o profissional passa a ter uma maior e melhor produtividade

Ele tem mais tempo para se dedicar às suas rotinas de trabalho e até mesmo para colocar em prática tudo aquilo que aprendeu durante o tempo de treinamento.

Manutenção facilitada

Uma das principais características do microlearning é o seu conteúdo curto e objetivo. Além de auxiliar na assimilação do conhecimento, também facilita a manutenção do aprendizado.

A prática de tirar, adicionar, substituir e fazer qualquer tipo de alteração no conteúdo acontece de forma mais fluida, porque um não depende do outro. 

Por exemplo: um conteúdo sobre oratória foi implementado na plataforma de aprendizagem. O material será separado em introdução, conceito, exemplos, atividades e testes. 

Porém, em uma determinada situação hipotética, é necessário alterar as atividades práticas. Para isso, não é necessário apagar todos os outros materiais, apenas substituir o conteúdo específico.

Isso torna o microlearning um método totalmente personalizável, como veremos a seguir.

Possibilidade de personalização

O microlearning é um modelo de aprendizagem que tem como foco melhorar a vida do estudante e sua compreensão. Por isso, ele viabiliza a personalização do conteúdo com bastante facilidade.

Dessa forma, é possível atender de fato as necessidades específicas dos profissionais da empresa, tornando a prática de aprendizado mais assertiva.

Materiais são mais fáceis de produzir

Por fim, essa técnica permite o alcance de diversos profissionais ao mesmo tempo, porque o material produzido pode ser compartilhado pelas mais variadas ferramentas de comunicação.

Além disso, o conteúdo também pode ser publicado em uma plataforma ou software para que todos os colaboradores possam ter acesso de onde estiverem, facilitando a disseminação da aprendizagem.

Como aplicar microlearning na organização?

Não existe uma regra definida para a aplicação do microlearning. 

Porém, é importante ter em mente que se trata de um curso de curta duração, que precisa oferecer uma experiência completa ao colaborador. 

Por isso, ao desenvolver o seu programa de aprendizagem, é recomendado seguir as dicas abaixo:

1. Defina o tipo de conteúdo

Ao realizar o planejamento e conhecer o público-alvo, é possível definir o conteúdo que será compartilhado para cada equipe.

Para facilitar esse processo, é importante segmentar os temas, analisando quais estão relacionados a atualizações, normas, contextualizações, orientações, etc. 

Dessa forma, é possível identificar as competências necessárias e o conteúdo mais conveniente para cada uma. O microlearning possui diversos formatos de conteúdo, e com isso, possibilidades de alcançar a melhor maneira para a compreensão dos alunos. 

Por isso, não se limite a apenas um tipo de material. Quanto mais diversificada for a forma de apresentação das aulas, mais interessada e engajada a equipe ficará, e maior será a sua assimilação.

Além disso, é importante que a linguagem dos conteúdos esteja de acordo com a usada no ambiente de trabalho.

Assim, o assunto será compreendido com maior facilidade pelos colaboradores. Vale também apostar em vídeos interativos, como podcasts, imagens, infográficos, entre outros.

2. Divida o conteúdo do curso em partes pequenas

Outra etapa importante é a divisão do material em pequenas partes, criando a partir disso as sessões de ensino. 

Porém, é importante ficar atento, já que cada parte precisa de um único foco, ou seja, a sessão precisa apresentar resposta para um único problema.

3. Priorize a apresentação em diferentes formatos de conteúdo

Assim como falado anteriormente, uma ótima vantagem do microlearning é a possibilidade de explorar diferentes formatos de conteúdo, tornando ele mais interessante e atrativo aos colaboradores.

Alternar as mídias é uma ótima estratégia para garantir engajamento. Porém, é importante se atentar ao público-alvo dos treinamentos. Vídeos e podcasts, por exemplo, funcionam melhor com colaboradores mais jovens, como os Millennials.

Outra mídia que tem se tornado cada vez mais uma tendência e traz resultados interessantes são os jogos e testes, capazes de passar o conhecimento de forma interativa e mais divertida, estimulando o aprendizado. 

Além deles, as simulações de negócios e estudos de caso também são opções excelentes para o desenvolvimento de narrativas envolventes que tenham como referência a vida real.

4. Adote uma ferramenta de treinamento

No cenário atual, as soluções tecnológicas são essenciais para qualquer estratégia de aprendizagem, como aplicativos e plataformas de treinamentos

Essas ferramentas ajudam os colaboradores em sua rotina de trabalho. Além disso, facilitam a disseminação do conhecimento, indo de encontro aos principais objetivos do microlearning.

Por isso, para uma aplicação efetiva dessa metodologia, a empresa deve investir em uma boa plataforma de aprendizagem, onde serão disponibilizados todos os conteúdos de forma organizada e de fácil acesso. 

É importante buscar por ferramentas capazes de facilitar, melhorar e auxiliar a educação corporativa do seu negócio. 

Aqui, na Leader Educa, você encontra soluções de aprendizagem corporativa presencial e a distância. Clique aqui para conhecer nossas soluções!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
×