ARTIGO

A importância de desenvolver uma Matriz de Treinamentos
Leader Educa

Leader Educa

Empresas que querem gerenciar seu crescimento de maneira sustentável devem contar com uma matriz de treinamentos para capacitar seus funcionários a seguir o fluxo desejado.

Sem a matriz de treinamentos fica mais difícil planejar o futuro da empresa, a curto, médio e longo prazo, no quesito de gerar – e gerir – resultados e promover o respeito às regulamentações externas e internas, dependendo do tipo de empresa ou indústria da qual estamos falando.

O documento que chamamos de matriz de treinamentos acaba por ser a compilação, de maneira organizada, das demandas internas da empresa – e, caso ela seja visitada de tempos em tempos por um auditor do Ministério do Trabalho, é exatamente isso que você deve mostrar a ele.

Portanto, se sua empresa ainda não tem uma matriz de treinamentos, é hora de colocar a mão na massa e desenvolver uma. Se esse já é um documento existente na sua empresa, leia esse texto até o fim para entender qual tipo de matriz de treinamentos você deve elaborar e quais variáveis deve correlacionar a ela se quiser ter um documento assertivo e preciso.

Por que é importante fazer uma matriz de treinamentos?

A matriz de treinamentos é, basicamente, o ponto de encontro de várias necessidades latentes de uma empresa, através de informações e dados de muitas frentes de atuação dentro dela. Assim, uma matriz vai lidar com questões como organização, distribuição de orçamentos e investimentos, dentre outras, para que seja possível fazer o planejamento da área de treinamentos.

Outra razão pela qual é bem importante fazer uma matriz de treinamentos é, justamente, ter um plano de treinamento e capacitação de equipes, ao invés de, simplesmente, ter uma série de treinamentos aleatórios jogados na agenda dos colaboradores para “cumprir tabela”.

É através da matriz de treinamento, também, que gestores vão conseguir desenvolver boas apresentações e argumentos e chegar a diretores do negócio, capazes de apoiar o plano, com ofertas que eles não podem recusar.

Para isso, atente-se aos números da sua matriz de treinamentos e as variáveis que são mais importantes para que esse documento seja considerado assertivo e completo.

Principais variáveis da matriz de treinamentos

Quando falamos que uma matriz de treinamentos é um bom documento para mostrar a diretores, líderes de setor e até a auditores do Ministério Público, muitas empresas acreditam que ele deve conter absolutamente todas as informações possíveis sobre o ano da empresa.

Contudo, é preciso ter foco, para que o leitor desse documento também o tenha. A perfeita organização de uma matriz de treinamentos se dá quando levamos em conta as variáveis mais importantes para constar no produto final, aquelas que, só de bater o olho, já conseguimos projetar gargalos e/ou oportunidades, além de resultados.

Separamos aqui as principais variáveis para que sua matriz de treinamentos esteja digna de ser compreendida e apoiada pelas pessoas com essa autoridade.

1. Tempo

É preciso estimar, na matriz de treinamentos, com qual periodicidade a empresa vai realizar os treinamentos sugeridos (você já deve colocar quais são eles em outro ponto da sua apresentação) e em quais datas.

Ter o tempo estimado é importante para negociar custos de possíveis eventos e já mostrar aos colaboradores quando eles serão submetidos a novidades. Assim, eles podem, por exemplo, planejar as férias com antecedência, sem cair em datas conflitantes.

2. Público-alvo

Quando você elabora uma matriz de treinamentos é essencial especificar quem é que vai passar pelos treinamentos em questão: as lideranças internas? Os caixas? A ouvidoria?

Afinal, não dá para treinar a empresa inteira em um único foco específico. Se isso acontecer, ou o treinamento não surtirá resultado ou confundirá ainda mais as áreas envolvidas.

3. Mapeamentos dos gaps

É importante, também, mostrar porque determinado treinamento é importante para seu público-alvo. As razões podem ser várias, desde o aperfeiçoamento do conhecimento em determinada frente de trabalho até uma reciclagem completa, se o setor lida com leis que mudaram ou que sofreram adaptações recentes.

Não dá para elaborar uma matriz de treinamentos e pedir investimento por eles se você não conseguir estabelecer os gaps que tornam essa iniciativa uma prioridade da empresa.

4. Investimento disponível

Antes de passar o pratinho perguntando quanto os diretores podem “doar” à sua matriz de treinamentos, aponte, em números claros, quanto a empresa tem disponível em caixa para investir em algo que é de suma prioridade.

Cada treinamento da sua matriz deve conter um budget oficial ou aproximado para que a projeção de gastos com ele seja realista. Quanto menos sua matriz de treinamentos especificar o investimento necessário, menores são as chances de que seus superiores comprem a ideia que você precisa passar.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin